Segunda-feira, 6 de Novembro de 2006

...

 

Neste final de dia finalmente senti... senti que as ondas do mar chegavam de mansinho para molhar meus pés... senti que o tempo continuava ali, rendido ao encanto do horizonte, à linha que todos os dias toca o céu e o mar.

Não sei por onde andei, por quem passei, por quem esperei... Não sei porque fiquei.

Perdi-me no tempo, nos meus pensamentos, nos dias em que esperava te encontrar por entre a gente que passava...

Mas tu nunca chegaste, nunca te vi passar, nunca te fizeste ver...

Os sentimentos que um dia senti, perduram...não caem no esquecimento da memória, não se apagam com um simples gesto e, dificilmente se libertarão...

 Contudo aprendi que é preciso haver amor para se poder ficar, para se esperar, para se ver...

 

 


Rascunho por Sofia às 00:58
link do post | Escreve tu também... | favorito
|
8 comentários:
De Borbolletta a 16 de Novembro de 2006 às 23:22
pegando na descrição do teu blog, gostava de consguir compreender o passado, quando olho para trás. Mas nao compreendo. E sinto que tb nao consigo olhar para a frente enquanto nao me conseguir desligar do passado que nao compreendo, pelo menos nao olhar o suficiente para viver...


De yohanan a 17 de Novembro de 2006 às 10:26
Olá..
Concordo com os teus sentimentos expostos neste texto, é preciso amor, mt amor para lutar, para saber aceitar, perdoar, e contudo ser muito feliz amando assim. bjs**


De Patricia Ran Norr a 17 de Novembro de 2006 às 21:21
é preciso de facto saber esperar... Ando a aprender isso... para poder Amar.
1000 pétalas perfumadas


De Mily a 18 de Novembro de 2006 às 03:02
Esses encontros/desencontros que permeiam nossa vida, trazem esses momentos de reflexão em que nos perdemos na memória daquilo que se foi, e buscando no presente a compreensão para a saudade sentida, para as lembranças que ficaram.

Um belo texto, amiga!

Deixo-te beijos, sorrisos e flores no teu caminhar.


De soaresesilva a 20 de Novembro de 2006 às 00:47
São tão tristes essas esperas!


De jo a 21 de Novembro de 2006 às 00:00
Quanta nostalgia, quanta tristeza neste teu poema. Nunca devemos desesperar, temos de acreditar. Bjs


De yohanan a 21 de Novembro de 2006 às 10:49
olá...não queres dar um saltinho até ao meu jardim de sonhos? Gostava de te ver por lá. ate breve. beijinho**


De Sofia a 21 de Novembro de 2006 às 12:05
Não é de maneira nenhuma nostalgia jo, é como se de repente te cansasses de esperar e partisses. E não é uma partida nostálgica, mas tranquila, não perdi nada, mas chegou o momento de querer mais, de querer a liberdade e voar...
No entanto aprendi algumas coisa com esta espera, e de forma alguma me arrependo, mas agora o que quero é viver o presente e deixar este passado apenas em memória.


Podes escrever tu...

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.Momentos

. ...

. Tu...

. Coisas Simples...

. Mais que mil palavras...

. ...

. ...

. Sonhos e melodias...

. Lágrima...

. ...

. Se eu fosse...

.Passar do tempo

. Agosto 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds